Enxurradas após chuvas revelam as falhas da rede de escoamento do DF

Em Vicente Pires, a falta de rede de escoamento e o asfalto ruim provocam enchentes a cada período chuvoso (Luis Xavier de França/Esp. CB/D.A Press)

Até o fim de 2012, apenas 2,4% da rede de escoamento do Distrito Federal terá sido desobstruída, o que significa que 85 quilômetros do total de 3,5 mil estarão preparados para receber a água do período chuvoso. Na época em que a precipitação tende a se intensificar, a sujeira acumulada nas tubulações durante os meses de seca impede a vazão de maneira satisfatória. Os resultados são sentidos diariamente, como as enxurradas que atingiram o fim da Asa Norte na madrugada da última terça-feira, na altura da 711/911, e, ontem, Vicente Pires e condomínios de Ceilândia.

Além da obstrução da rede de drenagem, somente 18% das bocas de lobo do DF estão limpas: órgão higienizou apenas 15 mil de 80 mil. O impacto das chuvas denuncia o despreparo da estrutura. A Novacap, responsável pelo serviço, acredita que as medidas, apesar de reduzidas, ajudarão na prevenção de enxurradas e até mesmo de enchentes. “Esperamos que na próxima chuva esses problemas estejam bem minimizados”, afirma Nilson Martorelli, presidente do órgão. “Mas a natureza nós não podemos controlar, nem prever o que vai acontecer”, lamenta.

Correio Braziliense
Leia mais em:
Link:

Atualizar


Imprimir


Ao comentar, o usuário está ciente sobre a Política de Privacidade