"Foi falta de segurança", diz irmão de mulher encontrada morta em hospital


O irmão da paciente encontrada morta no terceiro subsolo do Hospital das Clínicas, em Salvador, na tarde de sexta-feira (30), denuncia falta de segurança do hospital. Segundo Paulo Roberto, ele só foi comunicado do desaparecimento da irmã 10 horas após ela ter sumido.

"Ela estava internada há 23 dias com anemia falciforme. Ela desapareceu na quarta-feira [28] à noite, mas o hospital só me informou na quinta-feira [29], às 10h. Foi difícil aceitar. Eu estranhei muito e não acreditei. Procurei a coordenação da enfermagem, o serviço social. Foi uma falta de segurança, de amor ao próximo", relata Paulo Roberto.

De acordo com o boletim de ocorrência do hospital, a vítima foi encontrada na sexta-feira em estado de gigantismo no fosso do hospital. O levantamento cadavérico foi feito pelo delegado plantonista Juvêncio Neto e o corpo deslocado para o Instituto Médico Legal (IML).

A vítima tinha 48 anos e morava com a família no bairro do Cabula, na capital baiana. Ela não tinha filhos. Paulo Roberto conta que falou com ela pela última vez ainda na quarta-feira. "Eu fui levar um netbook [computador portátil] pra ela. Ela estava normal, sem esboçar uma reação diferente. Não tenho a mínima ideia do que aconteceu", relata.

A assessoria de comunicação da Polícia Civil informou através de nota que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) instaurou inquérito para apurar as circunstâncias da morte. De acordo com a polícia, o diretor do Hospital e todos os funcionários que trabalhavam no turno da noite foram chamados para prestar depoimento. Além disso foram solicitados os exames periciais da vítima e do local, além das imagens das câmeras de segurança da unidade hospitalar.
Leia mais em:
Link:

Atualizar


Imprimir


Ao comentar, o usuário está ciente sobre a Política de Privacidade